GeneaMinas, o melhor site de genealogia do Brasil, ultrapassa a barreira de 100 mil registros

Como a maioria das pessoas, eu sempre fui desinteressado em genealogia, em informações sobre meus antepassados ou parentes distantes.

Mas o “sempre” foi substituído pelo “até então” em 2005, quando resolvi pesquisar a minha árvore genealógica.

A motivação inicial era transformá-la num presente para a minha mãe, que tinha poucas informações sobre a sua família, que ela sabia ser grande.

O telefone foi a grande fonte de pesquisas, e os registros eram lançados no meu computador, esperando uma divulgação externa futura.

O segundo impulso chegou em 2007, quando o José Eduardo (que não conheço pessoalmente), filho de minha prima Dulce, me telefonou informando que estava criando um site especializado em genealogia.

Pouco depois lançou o http://www.geneaminas.com.br/, que considero o de melhor manuseio entre os poucos do ramo, logo alimentado com minhas pesquisas.

Muitos parentes que eu não conhecia o descobriram e lançaram novos registros de outros parentes – também por mim desconhecidos.

Acompanho o desenvolvimento do GeneaMinas com atenção e sei das dificuldades de sua manutenção, o que exige tempo e dinheiro do bravo financiador, também analista e mantenedor do site.

Inicialmente o José Eduardo recebia os dados e os lançava pessoalmente no sistema, o que exigia grande disponibilidade de tempo e começou a prejudicar suas atividades particulares.

Ele então optou por criar uma interface que permitisse que os interessados lançassem, eles próprios, os registros.

A nova metodologia permitiu a expansão e uma relativa autossuficiência (na produção de dados) do GeneaMinas, mas teve uma consequência inevitável: um grande rol de erros digitados pelos usuários/colaboradores.

Reconhece-se o entusiasmo e o espírito social dos colaboradores, mas as consequências caíram no colo do mantenedor.

É uma dificuldade que não impede o pleno funcionamento deste que hoje é um grande banco de dados com ênfase genealógica; as correções são realizadas na velocidade possível, com a ajuda de colaboradores e sob a tutela do comandante da embarcação.

O GeneaMinas alcançou em março de 2013 com um importante número: ultrapassou finalmente a marca de 100.000 registros de seres humanos que passaram pela Terra ou ainda estão aqui cumprindo suas missões.

Através do fantástico veículo-rede que é a internet, produziu e produz valiosos subsídios para aqueles que já eram pesquisadores em genealogia, o que inclui os curiosos eventuais sobre a própria origem.

E não tenho dúvidas de que o GeneaMinas está funcionando como incentivo para novos pesquisadores, que podem partir de um ponto definido, não do trabalhoso ZERO com o qual eu me iniciei.

Abaixo, reproduzo via print screen a tela de 11/03/2013, um baú de 100 mil seres humanos:

GeneaMinas_blog

Desrespeito à História e à memória: os destruidores de velhos documentos se consideram pessoas úteis à sociedade

Uma das maiores frustrações dos genealogistas, e pesquisadores em geral, é a descoberta de que documentos úteis foram destruídos por pessoas que desprezam a memória e o passado.

Vândalos que quase sempre se orgulham do feito.

— Papel velho não serve para nada, quem vive do passado é museu, troço velho só serve de alimento para traças, baratas e ratos!

A ignorância é ousada e cheia de iniciativas, por se imaginar sábia…

Minhas pesquisas genealógicas esbarram a toda hora em alguma história de material por eles destruído: arquivos, fotos, documentos, escritos. Leia o resto deste post »