Os legisladores se ausentam do plenários porque muitos projetos são irrelevantes

Em 1989, recém-promulgada a Constituição Brasileira que ainda está em vigor (embora largamente emendada), algum órgão da mídia decidiu conferir a frequência dos deputados federais às sessões plenárias, e depois soltou a lista dos gazeteiros.

Dois deles saíram crucificados: o mineiro Mário Bouchardet e o paulista Felipe Cheidde, ambos cassados por excesso de faltas.

Até hoje o assunto retorna às pautas midiáticas, mas os legisladores brasileiros (incluindo os estaduais e municipais) aprenderam a lição e comparecem com alguma frequência, ainda que só para registrar presença.

Sempre achei simplista o critério de presença em sessão como medidor do trabalho político: acompanhar eventos em suas bases, receber representantes de associações e elaborar projetos são algumas das muitas atividades importantes da carreira.

E as pautas de sessões são geralmente irrelevantes, com raros itens de real importância.

A repórter Larissa Carvalho, da TV Globo de Belo Horizonte, fez uma reportagem sobre os projetos irrelevantes na câmara municipal da capital, transmitida pelos telejornalísticos locais em 08/02/2012 com o título “Câmara de BH prevê gastos de mais de R$ 150 mi para 2012”.

Dois vereadores se saíram mal, viraram exemplos de autores de projetos irrelevantes.

Paulinho Motorista já havia desistido da criação do “dia da comida de preto” e tentou sair do ridículo culpando subordinados: “na verdade, esse projeto foi colocado em pauta por uma assessoria minha, que não trabalha comigo mais”.

Retrucou a repórter: “Não é sempre vocês que elaboram um projeto, a assessoria às vezes elabora e apresenta?”. Ele respondeu fingindo que aquilo não passava de um estudo técnico, o que certamente é diferente de um projeto de lei municipal.

O exemplo número dois foi o vereador Pablo César de Souza, o Pablito, que propôs a construção de estações para consertar bicicletas nas ciclovias e também a instalação de neutralizadores de mau-cheiro nos caminhões de lixo.

Mais realista – e ao encontro de minha posição – foi a fala da vereadora Neusinha Santos que, perguntada sobre a presença em sessões, disse na lata: “se o assunto for interessante eu fico, mas se for um assunto banal, que não interessa à cidade, eu realmente não perco meu tempo”.

Quanto ao valor de R$ 150 milhões, alguém cochilou pois a repórter fala em 170 no final da matéria.

Para acesso ao vídeo (inacessível pelos sistemas de busca do site), cliqueaqui.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: