Desrespeito à História e à memória: os destruidores de velhos documentos se consideram pessoas úteis à sociedade

Uma das maiores frustrações dos genealogistas, e pesquisadores em geral, é a descoberta de que documentos úteis foram destruídos por pessoas que desprezam a memória e o passado.

Vândalos que quase sempre se orgulham do feito.

— Papel velho não serve para nada, quem vive do passado é museu, troço velho só serve de alimento para traças, baratas e ratos!

A ignorância é ousada e cheia de iniciativas, por se imaginar sábia…

Minhas pesquisas genealógicas esbarram a toda hora em alguma história de material por eles destruído: arquivos, fotos, documentos, escritos.

Material que, muitas vezes, chegou a ser guardado e repassado de geração para geração, de pessoa para pessoa, até que alguém decretou que não passava de papelada inútil e o transformou em cinzas ou lixo.

Destruir é muito mais rápido do que construir, e minutos de uma fogueira eliminam uma parte da História.

Mas eu também soube de casos em que o fogo serviu de instrumento para interesses nada honestos: parentes me contaram que um primo de meu pai destruiu os documentos das propriedades do avô para tentar se apossar dos bens, em detrimento dos demais postulantes à herança.

Isolou-se de tal forma da família que não descobri o resultado da trapaça, e só voltei a ter notícias dele (faleceu na década de 1980) através da internet.

Caso semelhante foi o de outro parente que pegou os documentos de um antepassado europeu para tentar se naturalizar num país europeu: não levou a ideia a cabo, morreu e a papelada sumiu.

O escritor Pedro Nava se embrenhou tão a fundo em genealogia que se tornou o pai da memorialística, gênero literário do qual virou símbolo.

Na página 100 do livro “Balão Cativo”, ele descreve a destruição dos documentos de propriedade do seu tio-avô Júlio Pinto, grande empreendedor na fase de formação de Belo Horizonte, morto em 1916:

Por sua morte e pela entrada da filha para um convento, um número colossal de outros documentos que ele guardava passou para as mãos de tia Joaninha. Esta, já velha e doente, não soube ou não pôde impedir que um seu sobrinho os inutilizasse, arrancando deles, como curiosidade para coleção – estampilhas imperiais e selos régios em relevo. Depois o autor dessa traça queimou, no terreiro, aquela papelada que atulhava as gavetas de duas cômodas enormes. Destruiu assim testamentos, inventários, contratos, codicilos, escrituras, recibos, roteiros, promissórias, diplomas, quitações, registros de hipoteca, instrumentos de procuração, convenções de doação, listas de precípuos, formais de partilha, títulos de fidalguia, foros de posse, cartas de sesmaria, patentes da briosa, certidões de batismo, casamento, morte – duzentos anos de papelada de cartório e sacristia com os fastos de uma família que confunde sua história com a da Capitania e da Província – que tudo isto flambejou, estalou no fogo, derreteu seus lacres verdes, negros, vermelhos, espalhou-se em cinza e virou fumaça num fundo de casa da Rua Pouso Alegre.

Anúncios

2 Respostas to “Desrespeito à História e à memória: os destruidores de velhos documentos se consideram pessoas úteis à sociedade”

  1. Lucia Maria de Carvalho Rodrigues Pereira Says:

    Caro Marcio
    acabo de descobrir seu blog e gostei muito,principalmente o artigo”Desrespeito à História…
    Ha pouco tempo pude recuperar uma “arvore genealógica “muito antiga,que estava guardada nas coisas do meu pai,falecido em 1995.
    Arvore recuperada e aberta ,devidamente emoldurada,foi pendurada na parede com”pompas”.
    Aí começou meu problema.
    Sei que é da familia de minha bisavó Isabel Luísa Horta Barbosa ,porque o titulo é “Quadro das origens e formação da familia Horta Barbosa”,mas como é um quadro muito antigo não consigo ligar a ultima pessoa à minha bisavó.
    minha pergunta para você é:a quem recorrer?Já consultei o site Geneaminas ,mas talvez por ignorância não cheguei a lugar nenhum.
    Ponho o quadro inteiramente a disposição de quem quiser consulta-lo.
    Obrigada
    Lucia

    PS:não sei de quando é o trabalho,só sei que é feito à mão e é uma beleza !!!

    • marodrigues17 Says:

      Cara Lúcia, também tive sérias dificuldades com relação a pesquisas ligadas aos meus bisavós. Concluí que esta geração existiu no século 19, quando os registros eram descentralizados e precários. Por conta desta descentralização, sua única alternativa é procurar informações no local de nascimento e/ou registro de seus avós. Se viveram em cidades antigas, com subdivisões em distritos e povoados, a dificuldade dobra e provavelmente você dependerá de paróquias. Boa sorte.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: