Pantaleón e as visitadoras”, ou quando Llosa imaginou um serviço oficial de prostituição para os soldados

Sou um leitor frequente dos artigos jornalísticos do peruano Mario Vargas Llosa, mas até o dia em que ele ganhou o Prêmio Nobel de Literatura eu só havia lido uma de suas obras literárias.

Era o Batismo de Fogo, a opção de título do editor brasileiro para La ciudad y los perros, o original em espanhol.

Não tive sorte, pois certamente foi uma das obras mais fracas de sua lavra, provavelmente por ter sido escrito aos 28 anos, pouca idade para a maturação de um bom escritor.

Bem depois, 2003 ou 2004, consegui, de uma forma curiosa, um exemplar de sua valorizada obra Pantaleón e as visitadoras (1973): troquei por uma dúzia de livros e revistas que não mereciam um lugar na minha instante. Continue lendo »

Anúncios

“Sempre haverá um vereador para ver votos pendurados nos morros e derrubar o veto à encosta”

O assunto do dia, ou melhor, destes dias, é a sequência de inundações no Estado do Rio, que recebeu da Folha.com o estrondoso título “Tragédia no Rio é o maior desastre natural em número de mortes no país”.

Fiquei grudado no noticiário; seis meses antes havia visitado o Vale do Cuiabá, em Itaipava (Petrópolis), uma paisagem maravilhosa agora devastada.

No Bom Dia Brasil, da TV Globo, de hoje (14/01/11) achei muito adequado o editorial de Alexandre Garcia, que em apenas quatro parágrafos explica bem a incoerência dos poderes públicos.

Segue o texto de Garcia: Continue lendo »

Cubanólogo prevê crescimento da violência em Cuba

Patrick Symmes é um escritor engajado: para escrever mais um livro e artigos sobre Cuba passou um mês na ilha vivendo com 15 dólares, o salário médio no país.

O jornal O Estado de São Paulo publicou na edição de 28/12/2010 uma reportagem sobre a experiência e as opiniões de Symmes, da qual retirei os trechos abaixo:

Atualmente, exercer qualquer tipo de atividade profissional que não esteja autorizada pelo Estado é crime em Cuba. No ano passado, o governo permitiu o duplo emprego, acumulado com a função exercida no setor público. Neste ano, Raúl Castro autorizou a abertura de pequenos negócios. Depois do próximo Congresso do Partido Comunista Cubano, marcado para abril, cerca de 170 atividades estarão autorizadas na ilha.

Mas, segundo o escritor americano Patrick Symmes, por causa do anúncio das demissões de 500 mil funcionários de Havana, que emprega 85% da população da ilha, a sociedade cubana encara atualmente uma elevação na criminalidade “real”. “O crime está crescendo e acho que qualquer mudança na maneira de governar levar á certo caos, por causa da chegada das drogas, do dinheiro do tráfico e de armas da Flórida, além de uma quebra de confiança (dos cubanos no regime). O racismo que tem sido encoberto há décadas, deverá se incendiar. Os cubanos vão sofrer.” Continue lendo »

Alexandre Garcia diz que “continuamos jogando lixo para bloquear águas”

Na madrugada de hoje (11/01/2011) São Paulo sofreu mais uma rotineira inundação causada por fortes chuvas.

Quatorze mortos na região metropolitana e grandes prejuízos materiais.

A mídia já mostrou em várias reportagens (a melhor delas foi a do repórter Maurício Ferraz, analisada no post de 15/02/2010 do meu blog UOL, acessável através do link de Mensagens anteriores, no final da página do blog) que, se a impermeabilização do solo pelo asfalto é a grande causa, o lixo tornou-se um agravante respeitável.

Nesta manhã, o telejornal Bom Dia Brasil fez uma ampla reportagem sobre o assunto e destacou o jornalista Alexandre Garcia para um texto opinativo, um equivalente aos tradicionais editoriais da mídia escrita. Continue lendo »

Uma tradução do Hino Nacional Brasileiro para a língua portuguesa

Lá pelos longínquos tempos de minha juventude assisti a uma discussão interessante.

Um jovem do grupo argumentava que pátria, hino e bandeira eram símbolos militares e ligados à guerra, e que não teria sentido a adoração pela população civil.

O outro jovem defendia os valores de tais símbolos (era filho de um ex-deputado e coronel da reserva da Polícia Militar de Minas Gerais).

O Hino Nacional Brasileiro segue como tema onipresente, e leis recentes obrigam a sua execução até em alguns eventos privados, não oficiais.

E na mídia são onipresentes as reportagens reafirmando o alto índice de pessoas que não sabem cantá-lo de cor. Continue lendo »

Aviões caríssimos estão abandonados em vários aeroportos brasileiros

Aviões da Transbrasil abandonados no Aeroporto de Brasília

O avião é uma máquina tão cara que sua compra por financiamento é a praxe entre as multimilionárias empresas de transporte aéreo.

É um ícone da tecnologia: os jovens sonham com o primeiro voo e famílias inteiras ainda aproveitam fins de semana para ir a um aeroporto vê-los descer e subir.

Quando obtive meu primeiro emprego regular, aos 21 anos, reservei o fim de semana que sucedeu ao recebimento do primeiro salário para minha primeira viagem aérea, do Rio de Janeiro para Belo Horizonte.

Fiquei tão extasiado que, após a aterrissagem, continuei na pista admirando tudo, e de lá fui educamente buscado por um funcionário da segurança.

Por tudo isso me (nos) choca o cemitério de grandes aviões que existe dentro de importantes aeroportos brasileiros.

Observei o fenômeno pela primeira vez em Manaus, mas não fotografei; em setembro deste 2010 vi a mesma cena em Brasília, e desta vez fiz o registro fotográfico. Continue lendo »

Viva a delicadeza masculina! (humorismo que dei nota 10)

Uma mulher apaixonada envia uma mensagem de texto, com muito amor, ao seu amado dizendo:

— Meu amor, se está dormindo, me envie os seus sonhos!

— Se você está rindo, me envie o seu sorriso!

— Se você está chorando, me envie as tuas lágrimas!

— Eu te amo!

No que o homem responde:

— Meu amor…. Eu estou cagando. Quer que te envie alguma coisa?