“Ofender o outro não é ser sincero. É, apenas, ofender.”

Ao longo de minha vida sempre encontrei pessoas que defendem o direito e o valor da autenticidade.

— Digo o que penso, doa a quem doer.

— Ser sincero é obrigação, precisamos falar sempre o que realmente pensamos.

— Todo mundo precisa expor o que está sentindo, senão somatiza e adoece.

E outros comentários que seguem pela mesma linha…

Mas as décadas de vida e experiência prática me ensinaram que na psicologia humana nada é simples.

Na verdade, quem fala o que pensa está equivocado quando alega ou supõe que está evitando as depressivas consequências de ficar com pensamento fixo numa situação pendente.

Está criando um novo conflito que também vai exigir nova reação explosiva ou agressiva.

Troca um problema por dois.

Cada caso é um caso, mas aquela ideia geral é falha, pouco aplicável.

Extraí de um artigo do filósofo Renato Janine Ribeiro o seguinte trecho que também segue pela mesma linha:

O que agrava as coisas é que, hoje, toma-se por sinceridade o que é só agressividade. Alguns acham que “dizer o que vem à cabeça” é o mesmo que abrir o coração. Não é. Com frequência, a primeira resposta a algo difícil é a reação agressiva de quem deseja livrar-se de uma situação incômoda. Ofender o outro não é ser sincero. É, apenas, ofender.”

O artigo é sobre algo mais grave, assassinatos e suicídios causados por amor. Para acessá-lo, CliqueAqui.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: