Futebol não é razão, é emoção; e os torcedores adoram as polêmicas

Há uma ou duas décadas atrás, li na revista Playboy (que sempre apresentou assuntos interessantes, além das…) um artigo que descrevia um formato idealístico para o futebol, com sugestão de novas regras que o autor entendia serem claras e eficientes.

Uma das propostas era acabar com o critério interpretativo do toque de mão na bola: com exceção do goleiro, passaria a ser considerado “falta”, sempre.

Outra proposta — certamente bem mais complexa — era proibir o choque físico, transformando qualquer esbarrão em irregularidade; também passaria a ser classificado como falta.

Menos complexa era a intenção de acabar com a regra dos impedimentos, o que certamente aumentaria o número de gols.

Como acontece com o basquete e o futsal, o critério de duração da partida seria o tempo corrido, neutralizando a artimanha da falsa contusão.

E seguiu-se uma série de outras ideias, as quais nem remotamente me lembro.

Mas, apesar de toda a popularidade do futebol, esta foi a única proposta realmente reformista que já tive a oportunidade de ler, sinal de desinteresse pelo tema.

Mais recentemente, li e ouvi comentários de especialistas com opinião diferente, contrária.

Argumentam que a polêmica é indispensável ao futebol, é sua irmã siamesa, é o atrativo e graça.

Um combustível da paixão.

Partem do pressuposto que aspectos subjetivos e emocionais são parte do comportamento humano, são indissociáveis.

Esta também é minha linha de pensamento: paixões, emoções e confrontos são integrantes do indivíduo e estimuladores do agir.

O que me leva a concordar com a ideia que regras claras podem tornar o futebol mais racional, mas menos atraente.

Polêmicas e confusões são mais excitantes, mais motivadoras.

— Foi falta ou o jogador cavou?

— Foi mão na bola ou bola na mão?

— O atacante estava ou não estava impedido?

— A bola fez curva ou o goleiro falhou?

— Aquele jogador é craque ou perna-de-pau?

Temas como estes prorrogam as emoções de cada jogo por horas ou dias após o apito final do árbitro, criando uma situação improvável de acontecer se houvessem regras claras e definidas.

As polêmicas futebolísticas possuem o mérito de movimentar e agitar as conversas de bares, os churrascos, as reuniões de amigos ou colegas.

Uma garantia de assunto para muita conversa e animação, aliás um assunto farto; e fácil, conhecido e dominado pela maior parte da população.

Um respeitável elo social.

Pode parecer ilógico mas, em seu íntimo, o torcedor prefere que o futebol continue administrado por regras confusas, sujeitas a interpretações conflitantes.

Nem que seja para ganhar um polêmico assunto extra: analisar e criticar a nebulosidade das regras.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: